Homenagem Póstuma dos colegas de Bacabal a Raimundo Nonato Gonçalves.

Todas as partidas são dolorosas. Em maior ou menor medida, todas são perturbadoras. Há, no entanto, algumas que resistimos em absorver; por serem trágicas ou surpreendentes.

Na madrugada do dia 23/04/2021, perdemos o colega Raimundo Nonato Gonçalves, Auditor Fiscal de grande notoriedade entre seus colegas, contadores, contribuintes e quem quer que tenha direta ou indiretamente algum liame com a atividade fisco-tributária estadual.

Nonato, como era conhecido, era daquelas figuras cativantes logo no primeiro contato, seja por seu reconhecido conhecimento técnico que compartilhava de modo sempre fraterno, seja pelas suas habilidades nas relações, o que merecidamente levou-o a alcançar destacadas posições na administração tributária estadual com denodo e competência. Na Unidade de Fiscalização de Bacabal, local onde trabalhou sob a Gestão dos colegas Ronaldo Oliveira e ulteriormente, Luís Cláudio Cutrim, mostrou-se um profissional de excelente conduta, desempenhando com maestria suas funções e prestando grandes serviços ao Estado do Maranhão.  Foi vitorioso!         

Nascido em 09 de setembro de 1950, era um homem com raízes rurais. Não escondia o seu apego ao trato da terra e à pecuária, demonstrando formidável satisfação em tudo a elas relacionado. Impôs o desígnio divino, que por estas circunstâncias, Nonato recuasse às suas origens e fixasse residência no interior, para, assim, dedicar-se ao campo. Pertinaz, não se deixou abater pela conjuntura desfavorável, e, ante todas as dificuldades, decidiu dedicar-se exclusiva e integralmente ao exercício do ruralismo, o que foi precedido do seu licenciamento das suas atribuições junto à Sefaz / MA, com vistas a aposentaria que se avizinhava.

Entretanto, o Criador, ao seu talante, estipula dia e hora para a efetivação do chamado a que todos aguardamos, sem consulta ou prévio aviso. Assim, Nonato partiu para a morada eterna, deixando-nos todos órfãos da sua afabilidade, camaradagem, conhecimento e competência profissional.

Fica para nós colegas, além do vívido exemplo de trabalho, dedicação e compromisso com o serviço público, a lembrança do homem prestimoso. Para a família, fica a saudade do marido e pai extremoso e devotado. Todavia, sendo o Pai Eterno, o Deus vivo que triunfou sobre a morte e proclamou a vida, e vida em abundância, todos haveremos de não olvidar que o ser humano é imperecível: o corpo falece, a vida continua, porém. E continua ad aeternum. Nosso Nonato, agora vive o seu exilio espiritual, assumiu o lado eterno da vida. Sem as vulnerabilidades da frágil matéria, tornou-se infenso a tudo que a fulmina. Nonato Vive!

Fiquemos com Sócrates, que declarou: “A um homem bom não é possível que ocorra nenhum mal, nem em vida nem em morte”. Nonato era bom.

DOS COLEGAS DA UFRE DE BACABAL.

top